• DENOMINAÇÃO

A eclampsia (Tetania Puerperal, Hipocalcemia Puerperal) é uma condição aguda com risco de vida e é caracterizada por convulsões. A tetania puerperal em cadelas ocorre no período pós-parto, e os sinais são provocados por hipocalcemia.

  • FREQUÊNCIA

    Comum.

  • ETIOLOGIA

A causa da hipocalcemia normalmente não é determinada, mas pode resultar de problemas como perda de cálcio materno para o esqueleto fetal e a produção de leite.

A hipocalcemia ocorre também no uso excessivo de cálcio no estágio pré-natal, que pode promover atrofia da paratireóide que inibe a liberação do paratormônio, interferindo assim, nos mecanismos normais para mobilização das reservas adequadas de cálcio, ou com a utilização das fontes de cálcio presentes nos alimentos, além de ficar estimulada a liberação de calcitonina.

  • CARACTERÍSTICAS

Os sinais clínicos da hipocalcemia puerperal se desenvolvem durante o pico de lactação (entre as 1ª e 3ª semanas pós-parto) em cadelas pequenas com ninhadas grandes. A fêmea é saudável sob outros aspectos e os neonatos estão em pleno desenvolvimento.

  • SINAIS CLÍNICOS
  • Taquicardia.
  • Taquipneia.
  • Poliúria.
  • Polidípsia.
  • Vômitos.
  • Tremores.
  • Fasciculações musculares.
  • Fraqueza.
  • Hipertermia.
  • Ataxia.
  • Agressividade.
  • Hipersensibilidade.
  • Desorientação.
  • Convulsões.
  • DIAGNÓSTICO

O diagnóstico de tetania puerperal é feito conjugando as informações da anamnese e exame físico com baixos níveis plasmáticos de cálcio ionizado ou total.

  • TRATAMENTO

O tratamento consiste na administração intravenosa lenta de uma solução de gluconato de cálcio a 10%, até a obtenção do efeito. A dose total geralmente é de 3 a 20 ml, dependendo do tamanho e peso da fêmea. Como o cálcio é cardiotóxico, deve ser realizada a auscultação cardíaca e ecocardiografia do animal junto com a administração de cálcio, para detecção de bradicardia ou arritmias. Caso ocorra bradicardia a administração deve ser interrompida imediatamente e se for necessário cálcio adicional, ele deve ser administrado após a normalização do ritmo cardíaco, mas em velocidade bem reduzida da primeira aplicação. A resposta ao tratamento é notável, e os sinais clínicos se resolvem em geral durante a administração intravenosa do cálcio. Visto que o animal possa estar em uma crise convulsiva, o uso de diazepan (1 a 5 mg IV) ou barbitúricos podem ser utilizados. É contra-indicado administração de corticosteroides durante a tetania puerperal, pois estes agentes reduzem as concentrações séricas de cálcio, por promoverem a calciúria.

Alguns clínicos recomendam que assim que os sinais neurológicos tenham sido controlados com o gluconato de cálcio intravenoso, seja administrada infusão subcutânea de volume igual, diluído a 50% com solução salina, até que o caso se estabilize e a fêmea seja enviada para casa. Os filhotes não devem mamar durante 12 a 24 horas. Deve ser administrado cálcio por via oral, diariamente e durante toda a lactação. A dieta da fêmea deve ser ajustada de acordo com a necessidade para assegurar que esteja nutricionalmente completa, balanceada e própria para lactação. Se a hipocalcemia recidivar, os filhotes devem ser desmamados.

  • PROGNÓSTICO

Reservado a Bom.

  • OBSERVAÇÕES

Esta condição ocorre mais frequentemente em cadelas de raças pequenas, primíparas e em cadelas com grandes ninhadas.

O cálcio ionizado representa a quantidade ativa de cálcio presente no organismo, estando envolvido nas contrações musculares e nas funções neurológica e cardiovascular.

A tetania puerperal é considerada uma situação grave que, não sendo tratada atempadamente, pode levar à morte, nomeadamente por depressão respiratória grave ou por hipertermia associada a edema cerebral.

ACESSE TAMBÉM:

ABORDAGEM DIAGNÓSTICA DAS PATOLOGIAS REPRODUTIVAS NAS CADELAS – FABÍOLA SOARES ZAHN

PATOLOGIAS DO SISTEMA REPRODUTOR EM CÃES E GATOS – LORENA GABRIELA ROCHA

HIPOCALCEMIA PUERPERAL CANINA – ARIANNY CAMPUS BERNARDO